Álbum Once Upon a Time in Shaolin Foto: Reprodução

Agora é possível comprar uma parte do álbum mais raro da história — e por apenas um dólar

Jota Wagner
Por Jota Wagner

Atual detentora do disco, PleasrDAO está vendendo pedaços de Once Upon a Time in Shaolin em NFT — e processando seu antigo dono

O plano tinha tudo para ser um dos mais curiosos e inventivos lançamentos da história da música. Com o propósito de alertar ao mundo sobre a subvalorizarão das obras musicais nos dias de hoje, o Wu-Tang Clan lançou apenas uma cópia do álbum Once Upon a Time in Shaolin, fechou-a em uma caixa de prata e, por decisão dos integrantes do grupo, só poderia ser revelado ao mundo em 2103, com direito a audições parciais e raras organizadas em museus.

Só faltou combinar com o comprador. Ainda com o objetivo de discutir sobre o “valor” de uma obra, o Wu-Tang botou o disco em leilão, arrematado por um industrial farmacêutico posteriormente condenado pela justiça estadunidense, que bloqueou seus bens e recolocou Once Upon a Time em leilão para recuperar o dinheiro sonegado.

A ideia de manter o valor milionário do álbum só fazia sentido se seu conteúdo se mantivesse exclusivo. Mas, na cabeça do ricaço Martin Shkreli, que o comprou pela primeira vez, reinava o bom e velho “se eu paguei, é meu”. Segundo os novos proprietários do disco (a organização especializada em colecionar obras em NFT, PleasrDAO), Shkreli desrespeitou as regras contratuais do produto e, além de ter ouvido seu tesouro, ainda o digitalizou distribuiu para alguns amigos. Atualmente, a PleasrDAO está processando o antigo dono.

Desde que os novos compradores botaram a mão em Once Upon a Time in Shaolin, seus administradores admitiram para a imprensa sua vontade de digitalizar as canções e colocarem-no à venda, com direito de propriedade via NFT. Como os integrantes do Wu-Tang Clan exigiram que o álbum siga protegido até 2103, quando legalmente entra em domínio público, a solução bolada pela organização foi vender apenas uma parte do álbum. Quem fizer a compra da cópia, a partir de um dólar, terá direito a ouvir a apenas cinco minutos de música — e ainda, acelerar em pelo menos 88 segundos a contagem regressiva para tornar a obra pública.

Segundo a Pleasr, seus executivos e o Clan vêm discutindo o assunto secretamente há seis meses. Além de ter pago quatro milhões de dólares pelo álbum em leilão, a organização topou desembolsar mais uma grana para adquirir os direitos de 16 das 31 músicas do disco. São estas as que, ao longo do tempo, serão disponibilizadas comercialmente, dando uma bela de uma talhada no projeto original, que era manter o álbum fechado a sete chaves por 88 anos.

Em alguns anos, mais da metade do álbum mais valioso de todos os tempos já estará disponível no mundo digital. Agora, resta aguardar para saber se os integrantes do Wu-Tang Clan irão resistir bravamente à tentação de manter inacessíveis as 15 músicas restantes.

A compra da NFT pode ser feita através do site thealbum.com, que também revela em tempo real a contagem regressiva para Once Upon a Time in Shaolin entrar em domínio público (mais de 78 anos e 232 dias, no momento desta publicação).

Jota Wagner

Jota Wagner escreve, discoteca e faz festas no Brasil e Europa desde o começo da década de 90. Atualmente é repórter especial de cultura no Music Non Stop e produtor cultural na Agência 55. Contribuiu, usando os ouvidos, os pés ou as mãos, com a aurora da música eletrônica brasileira.

× Curta Music Non Stop no Facebook