O onipresente Chicão Cornejo é o cara que está trabalhando em todas as festas e festivais. Entenda o que ele faz

Claudia Assef
Por Claudia Assef

De MC do Boiler Room no Brasil a assessor de imprensa. De clubber daqueles que ficam até a última luz se apagar a moço aplicado nos estudos. Estamos falando de Francisco Raul Cornejo, mais conhecido na cena eletrônica como Chicão, um cara que está em todas sem que necessariamente a gente saiba direito o que ele fez.

Atualmente trabalhando na agência de DJs Entourage, que administra carreiras de artistas como Vintage Culture, Fatnotronic, L_cio e Chemical Surf, entre muitos outros, Chicão continua surgindo com crachás de festivais como Dekmantel e Marisco. Além disso, ainda arruma tempo pra colaborar com sites, como o Music Non Stop. Veja aqui algumas matérias de sua autoria.

Egresso da turma do drum’n’bass, Chicão hoje circula mais entre a galera do techno. Mas não tem preconceitos. Onde tiver uma festa boa, pode procurar, ele vai estar. Por essa qualidade de ser onipresente, sempre sorrindo, Chicão mais do que se enquandra no perfil de notáveis of the night que gostamos de entrevistar aqui na coluna #MillerMusic. Antes de seguir pra entrevista, veja o rapaz em ação no Boiler Room com DJ Marky.

DJ MARKY @ BOILER ROOM

Music Non Stop – Você está sempre com DJs, trabalhando em festas e festivais, agências… Como você define o que você faz?

Chicão Cornejo – Nem sei, sabia? É bem difícil quando você se vê como parte de uma equipe. Acho que isso foi uma herança meio inesperada do serviço militar que reforçou uma crença minha já bem arraigada: a equipe conta sempre. Então, por mais que seja um filho único (e leonino), sempre me vi como parte de um todo mais amplo. Gosto de pensar no meu papel como um catalisador de oportunidades para que as pessoas tenham acesso a músicas que normalmente não teriam, um farol em meio ao desconhecido musical, não um guia ou nada disso, gosto de pensar que temos autonomia e devemos respeitá-la sempre. Acho isso justo já que fizeram o mesmo por mim em momentos cruciais da minha formação…

Chicão com Marky na Metro FM: os looks entregam os anos 90 – ainda estamos entender o óclinhos do Chicão rs

Music Non Stop – Quando você se sentiu fisgado por música eletrônica pela primeira vez na vida?

Chicão Cornejo – Acho que foi quando ouvi Don Quixote do Magazine 60 pela primeira vez, da trilha da novela Cambalacho. Eu amava Something About You do Level 42, mas essa música esquisita (que meu pai detestava e eu pedia para ele tocar muitas vezes) sempre me fascinou, junto a Numbers do Kraftwerk e muitas outras que fizeram parte de qualquer infanto-adolescente que cresceu assistindo Tela Quente na Globo às segundas.

LEVEL 42 – SOMETHING ABOUT YOU

Music Non Stop – Qual foi o primeiro disco que você comprou? E o último (pode ser em qualquer formato)?

Chicão Cornejo – Comprar mesmo foi o álbum 101 do Depeche Mode, lembro que não parava de ouvir Strangelove (do disco House Remixes Internacional) e mesmo meus amigos tendo vários discos muito bons e eu ter ganhado de presente alguns fantásticos de Natal e amigo secreto (Information Society, Holocausto Urbano, Follow The Leader) esse me marcou porque eu mesmo peguei e escolhi.

STRANGE LOVE (EXTENDED MIX) – DEPECHE MODE

Music Non Stop – Você era superenvolvido com a cena de drumba e atualmente circula num meio bem amplo… Conta sobre o seu início na cena, por favor.

Chicão Cornejo – O início foi como uma aficionado por música, frequentador da galeria, caroço de balcão de discos… Eu me apaixonei pelo hardcore, techno e jungle em casa, pelos discos que eu comprava, especialmente com o Johnson na Energy. Depois fui ouvir o programa da Sound Factory com o Marky e o Julião, entre tantas coisas que ouvia naquela época e aí vi que tinha um lugar e um povo em com quem podia curtir isso… era tudo muito diferente, muito ousado para o que havia na época. E isso era o q mais me atraía.

Daí fui apresentar o programa Phuture Trax com o Marky na Metro FM, já que era eu quem traduzia todas as revistas e via todas as indicações nos semanários que importavam e que, naquele tempo, você comprava em qualquer banca no Centro.
D&B foi meu primeiro amor, naquela época não havia nada tão ousado e arrojado. Era algo tecnicamente muito elaborado e, mesmo assim, meio fustigado pela crítica especializada daqui e era justamente por isso que nos atraía tanto. Era algo da perifa que era esnobado, mas todos sabíamos que nem se comparava ao que havia nas pistas daqui. Era o som perfeito com os artistas perfeitos: Marky, Patife, Xerxes… não à toa chegou aonde chegou.

Music Non Stop – Como foi trabalhar como host do Boiler Room?

Chicão Cornejo – É engraçado, na verdade. Foi aí que eu meio que notei como minha vida toda esteve ligada a plataformas de divulgação, seja radio FM ou online (como a Noia, que o Xerxes me deu para tocar e eu transmitia do meu quarto). Como minha trajetória no rádio sempre deixou isso bem evidente, você nunca é o foco, o artista é. Então era só uma questão de ser um relógio de ponto, mais ou menos… o resto é macaquice.

Com Marky, durante transmissão do Boiler Room transmitido diretamente da casa do DJ

Music Non Stop – Você é festeiro, não há como negar. O que é uma noite perfeita pra vc?

Chicão Cornejo – Olha, é uma equação bem complexa, mas envolve o artista e o público, eles são dos denominadores. O resto são pequenos detalhes, mas quanto mais o organizador/promoter/produtor compartilhar dessa paixão pela música que move a todos nós, maiores as chances de ser algo inesquecível… é algo muito delicado e que se faz presente em cada festa, dependendo desse equilíbrio entre os fatores. Acho que é como determinar epicentros de terremotos, você tem os elementos, mas é impossível saber como ou onde ou quando eles vão acontecer…

Music Non Stop – Por que você acha que os gringos (festivais, selos) estão de olho no Brasil?

Chicão Cornejo – Nós temos uma vantagem demográfica enorme que se reflete em qualquer formato e aferição de presença online. Foi assim com o Orkut e agora isso se repete de forma ainda mais ampla com outras plataformas. A atenção deles se prende a números absolutos, então obviamente nos tornamos um foco, ainda mais por conta de nossa herança musical e uma certa afinidade com as formas festivas que aprimoramos dos ibéricos… é um cadinho de possibilidades e todos procuram explorar, como fizeram com as o modelo extrativista de plantation…

Chicão foi pego pelo estômago primeiro pelo drum’n’bass, na foto com amigos, entre eles o DJ Cleber Portaro (o primeiro a partir da esquerda)

Music Non Stop – São Paulo hoje, tem outra cidade que faça frente à noite daqui?

Chicão Cornejo – Pergunta difícil, hein… eu sou nascido, criado e estragado nesta cidade e sempre me mantive bem próximo da vizinhança em que cresci, mas Londres também é assim (Paris foi, um dia… não mais) e sempre me impressionou como Buenos Aires se manteve tão animada e diversa, muito mais que a capital paulista, pelos últimos 15 anos, mesmo sendo menor. Mesmo assim, honestamente, a única cidade que já concebi trocar por São Paulo foi Colônia, na Alemanha.

A maravilhosa noite de São Paulo, Chicão não troca por nada

Music Non Stop – Por último, qual seria uma noite ou um clube pra qual você voltaria no tempo se pudesse?

Chicão Cornejo – Sound Factory Penha, um domingo, primeira vez que vi o Marky tocar, entrei e já estava rolando uma faixa que eu amava das minhas coletâneas. Um techno rave belga, Get Down Everybody do Holy Noise. De um lado eu olhava a pista, atônito, com o pessoal dançando passos de b-boy acelerados e do outro estavam as drags (saudosa Luana Malukat) recebendo a mim e meu amigo como se fôssemos filhos delas…

QUER MAIS #MILLERMUSIC? AQUI!

× Curta Music Non Stop no Facebook