Nelson D

Direto da redação! As músicas brasileiras que você não pode deixar de conferir durante a semana. De eletrônico indígena a rap de primeira.

Por Jota Wagner

Jota Wagner seleciona as faixas que emocionaram a redação e que  você não pode  deixar de incluir na sua playlist da semana.

Dudu Marote, produtor de responsa responsável por projetos como o contemporâneo Xaxim, uma vez disse: “música nunca foi cultura monogâmica”.

Preciso como nunca. Pois prepare-se para uma verdadeira orgia. Artistas brasileiros estão arremessando suas pedras de todas as regiões e de todos os gêneros musicais. Tem beat indígena-eletrônico, cult rock paulistano, techno e MPB inspirados nesta lista. Desfruta!

Primeiramente, o destaque do destaque

Nelson D, artista indígena que você conheceu aqui MNS, desceu o braço na maravilhosa Ruka. Psicodélica, eletrônica, indie, dançante, tensa e natural.  Nelson em seu melhor momento, na opinião deste.  Que música!!

Rock brasileiro atemporal

Cris Braun, ex Sex Beatles e dona de um portentosa lista de “bons serviços prestados à música” como dizia Fabio Massari, esta prestes a lançar novo álbum. A cantora divulgou clipe da ótima Tudo que Você Queria Saber Sobre Si Mesmo.

Groove brasileiro dançante e bons de pista

A paulista Zeferina soltou Flor de Oxalá com produção de som primorosa. Groove limpo, liso e mastigável para pistas de dança de brasilidades. O single tem participação de do rapper e compositor Zudzilla.

 

Música eletrônica da disco ao techno

Djane Fonda, avatar eletrônico de Bárbara Eugênia, chega com mais um single. A deliciosa To Know de Odds, slow de prima com um vocal devotado aos 70.  Vale conferir.

Competente e muito interessante a compilação Patterns, do selo brasileiro Prototype Music capitaneado pelo duo Innure. Progressiva e viajeira, a coletânea traz nomes como Cosmov, Closed I, Emi Klawers, Sabas, Van Garen, Alenn H e Dizharmonia. Confere aí no link para o Spotify. O disco também está disponível nas lojas de download.

MPB fina

Os paranaenses do Caburé Canela unem breakbeat experimental e MPB da velha escola com belos vocais. Seu segundo single, Claridade, acaba de sair.

Isabel Lenza lançou o consistente álbum Véspera, bebendo gostoso na fonte do soul brasileiro dos 70. Adicione-se aí uma bela produção modernosa. O disco é muito bom. Entre Águas e Serras é linda.

Rap bom de letra e bom de baile

O rap como ferramenta para descer a lenha no que está errado. Assim que é com Durangokid e seu novo lançamento Delírios Trópicos, EP com duas músicas. A faixa mescla beats do trap com influências latinas, muito bem vindas.  Flow Petrópolis é demais.

Bem feito e super groovy. Utópico, de Roger Deff, é faixa boa de baile. A letra referencia Eduardo Galeano e a produção do rapper mineiro é acima da média.

 

 

 

Jota Wagner

Jota Wagner escreve, discoteca e faz festas no Brasil e Europa desde o começo da década de 90. Atualmente é editor chefe do Music Non Stop e produtor cultural na Agência 55. Contribuiu, usando os ouvidos, os pés ou as mãos, com a aurora da música eletrônica brasileira.

× Curta Music Non Stop no Facebook