Chuck Roberts Foto: Reprodução

Morre Chuck Roberts, o reverendo da música eletrônica

Jota Wagner
Por Jota Wagner

Cantor, compositor e produtor foi considerado “a voz da house music”, e fez último lançamento ao lado de brasileiros

Se Deus gosta de house, Chuck Roberts foi recebido nos portões do céu com tapete vermelho. Considerado “a voz da house music”, título que disputava com outro vocalista, Robert Owens, o cantor, compositor e produtor escreveu seu nome na história recitando sermões em músicas icônicas do gênero, inspirando-se nos pastores que ouvia quando criança (dentre eles, Martin Luther King), e fazendo com que muita gente transformasse a atitude de ouvir e dançar em uma espécie de culto religioso.

Prova disso é que Roberts, do alto de sua posição de missionário da música, criou Os 10 Mandamentos da House Music, que vão desde “você deve ser sempre respeitoso e gentil na pista de dança”, até o maluco “DJs podem dançar, mas moderadamente, para manter o foco no que estão fazendo”. Converta-se lendo a tábua dos dez mandamentos de Roberts no final da matéria!

Os discursos de Chuck gravados sobre as batidas da música inspiraram milhares de produtores mais jovens, que replicaram a ideia de passar um sermão na pista de dança. A criação do mundo proposto por Roberts teve início quando o reverendo emprestou seu discurso para ser incluído na música Can You Feel It, de Larry Heard, que fez um tremendo de um sucesso em 1986. Percebendo a potência da pregação, o vocalista resolveu usar a mesma gravação em uma outra faixa sua: My House, lançada em 1987 pelo grupo Rhythm Control. O curioso é que ambas se tornaram clássicos supremos da house music, usando exatamente os mesmos vocais.

Let there be house!“, disse Jack, uma espécie de deus da house music, na parábola cantada por Roberts em seu discurso mais famoso.

Jacking, desde então, virou sinônimo para o ato de dançar house, e Chuck Roberts virou o reverendo da parada. No relançamento de My House, In The Beginning (There Was Jack), em 2018, o cantor aparece na capa vestido de Jesus Cristo, com dois toca-discos sobre as nuvens.

O maldito câncer, porem, não poupa nem mesmo os escolhidos. Após uma longa batalha contra a doença, Roberts faleceu no último dia 06, indo discotecar lá nas alturas. Deixou uma nação de súditos por aqui, em especial os adoradores da house clássica nova-iorquina, sua cidade natal.

Depois de colaborar com nomes como Carl Cox e Bushwacka!, seu último lançamento oficial, curiosamente, foi com dois brasileiros: Oscillator (Jack is Back), com Illusionize e o DJ Glen, que chegou em janeiro pela Armada Music.

Os 10 Mandamentos da House Music, por Chuck Roberts:

1. Você deve sempre estar dançando (jacking) para se libertar das pressões da vida através da música.
2. Em nossa casa, só existe house music.
3. Um DJ não deverá jamais permitir qualquer outra influência que não as relacionadas às vibrações da house music.
4. Todos deverão ser sempre respeitosos e gentis, quando estiverem dançando na pista.
5. DJs devem sempre apoiar uns aos outros, e sempre se tratarem com o máximo respeito.
6. DJs podem dançar, mas moderadamente, para manter o foco no que estão fazendo.
7. A caridade começa em casa, antes de se espalhar pelo mundo. Apoie os artistas locais.
8. Cobranças de cachês razoáveis ​​são permitidos, mas os rendimentos devem ser usados ​​para cobrir as despesas e propagar o Movimento House Music.
9. Não ataque verbalmente o caráter de outros DJs.
10. Promova continuamente a house music para trazer unir todas as nações, promovendo o crescimento e inclusão de todos.

Jota Wagner

Jota Wagner escreve, discoteca e faz festas no Brasil e Europa desde o começo da década de 90. Atualmente é repórter especial de cultura no Music Non Stop e produtor cultural na Agência 55. Contribuiu, usando os ouvidos, os pés ou as mãos, com a aurora da música eletrônica brasileira.

× Curta Music Non Stop no Facebook