Festival Sxsw 2022

Tudo sobre o SXSW 2022: o destaque dos brasileiros Atalhos, Tagua Tagua e Tuyo, os palcos da BRAIN. E os melhores shows que vimos!

Por Bruno Montalvão

Nosso correspondente Carlo Montalvão esteve no South by Soutwest no Textas e nos conta o que de viu de mais bacana

O SXSW aconteceu de 10 a 20 de Março, mas a parte musical ficou concentrada entre os dias 14 e 20. A expectativa para esse ano era enorme, visto que a BRAIN tinha 22 shows no evento e nosso artista ATALHOS teria 06 shows, sendo um oficial. Além disso, a BRAIN ainda organizou 04 shows para a banda argentina Isla de Caras. Mas nem tudo foram flores!! A nossa SAGA nos aeroportos foi enorme antes de chegarmos em Austin. Saímos de São Paulo no dia 12, por volta das 23:55h, e chegamos em Fort Lauderdale no dia 13 por volta das 6 da manhã. Passar pela alfândega foi fácil e bem rápido, mas sair do aeroporto não foi tão fácil assim. Ficamos de 7 da manhã até 4 da tarde esperando notícias sobre o nosso vôo para Austin e elas nunca chegavam, nada de aparecer no painel de controle do aeroporto. Finalmente, conseguimos fazer o checkin e despachar as bagagens para Austin e, passamos mais uma vez pela revista da TSA. Agora estávamos mesmo dentro dos Estados Unidos, mas como nada é fácil nessa vida, começou aí a nossa SAGA: o vôo para Austin havia sido cancelado junto a mais 08 outros vôos da companhia Jet Blue (esqueçam esse nome!). Uma nevasca seguida de uma tempestade em Nova York atrasou 09 vôos da companhia somente no nosso aeroporto, o que nos fez perder horas e horas dentro do aeroporto de Fort Lauderdale. Ao final, nos colocaram numa fila de reclamações gigantesca e o resultado final foi que nos ofereceram apenas um transfer (via Lyft) para a cidade de Miami e um vôo na noite do dia seguinte de Miami para Austin. O lado bom da história é que ficamos hospedados no Hilton Hotel em Miami (mas pagamos por isso) e descolamos um motorista de Lyft maravilhoso, chamado Walfrido, que nos descolou alguns aditivos psicotrópicos naturais. Chegamos em Austin no dia 14 à noite.

SXSW 2022

O SXSW é a maior feira de música e novas tecnologias do mundo e todo mundo já sabe disso. O evento acontece há mais de 35 anos na cidade de Austin, a capital do Texas, sempre no mês de Março. E esse ano o evento contou com a presença de muitos artistas do Brasil, apesar da total falta de apoio dos eventos passados – não tivemos a noite brasileira, por exemplo, muito menos apoio de nenhum órgão cultural governamental e nem privado – alguns artistas brasileiros se destacaram bastante como ATALHOS, Tagua Tagua e Tuyo. Além disso, outro destaque foi a agência de shows e agenciamento artístico BRAIN Productions Booking, que colocou sua marca em Austin, realizando 04 palcos exclusivos e 22 shows em apenas 05 dias. Vamos ver como foi o destaque brasileiro no SXSW.

ATALHOS

A ATALHOS apenas alguns dias depois de lançar seu novo e tão aguardado álbum “A Tentação do Fracasso” (2022, Costa Futuro), chegou em Austin para abrir a sua turnê mundial e realizou 06 (seis) apresentações durante o SXSW, com destaque para os shows no evento “All Day, All Night, Allright”, que aconteceu no The Pink Warehouse, um dos picos mais legais de Austin. Um galpão (warehouse) enorme de uma cerralheria que foi adaptado para receber bandas em seu pátio. Tudo estava perfeito, desde a decoração do lugar, as atrações, os comes e bebes, até a qualidade do evento em si, que foi totalmente organizado por mulheres. O coletivo Art Island, comandado pelos selos indies Mas Music Records, Howdy Gals, Secret Soup Records, e Play to the Plants. Aqui, nossos agradecimentos especiais à Michele Mas e Alex Mendonza, duas guerreiras indie e super movimentadoras da cena em Austin. Se tivéssemos que dar uma nota ao evento, seria um 9,7 com louvor!

Outros shows que foram destaque para a ATALHOS aconteceram no Hotel Vegas (dia 18, no Volstead Lounge), Easy Tiger (dia 19, no BRAIN Stages, junto a Isla de Caras, Tagua Tagua e Elephant Stone) e Sahara Lounge (clássico venue da cidade que tem mais de 50 anos de história, e onde já houveram jams de Muddy Waters e BB King, só para citar alguns gênios do Blues que pisaram naquele palco nas décadas de 60 e 70), o venue é comandado hoje por Topaz, líder e vocalista da banda Golden Dawn Arkestra, um combo afrobeat de enorme destaque em Austin. Outros shows que a banda realizou em Austin e também merecem destaque foram o do The Electric Church, no dia 15 (o primeiro show), e o showcase oficial que aconteceu no Esther’s Follies, no dia 18, ambos tinham um público atento e que se envolvia bastante com as músicas, apesar de não entender nada das letras. Independente dessa “barreira linguística”, a ATALHOS deixou sua marca no SXSW e ela foi altamente positiva, redendo à banda um convite para gravar uma session para a Paste Magazine, por exemplo.

banda ATALHOS no palco da BRAIN no Easy Tiger.

ATALHOS, ativar!

LineUp do HOTEL VEGAS

Atalhos e sua equipe no Sahara Lounge, em Austin, Texas.

Pedimos ao Gabriel Soares, da ATALHOS, para dar um depoimento sobre a participação deles no SXSW:

“Para mim foi uma experiência incrível participar do SXSW, a gente vem de uma escola de fazer música no interior de São Paulo, em Birigui… Lembro quando a gente fazia ainda covers de bandas como Nirvana, Alice Chains, Pearl Jam e a gente sequer imaginava que pudéssemos tocar em lugares interessantes e tudo. Então, podermos vir para os Estados Unidos fazer um festival como o SXSW, é uma coisa que para nós que viemos do interior do Brasil é surreal… poder participar de um evento tão interessante e potente, com várias bandas e vários palcos, também realizado no interior dos Estados Unidos é uma coisa muito simbólica para nós. E a nossa experiência foi fantástica, era bem o que a gente estava imaginando de showcase, você pega lugares maiores e outros menores, mas o mais importante foi a conexão que a gente fez com as pessoas. Esse estímulo, esse contato real, ainda mais depois de mais de 02 anos sem poder fazer shows por causa da pandemia, foi muito especial. Então nós só temos que agradecer por essa experiência, era uma coisa que a gente sempre imaginava um dia – quase como um sonho – tocar nos Estados Unidos e a gente ver esse sonho realizado hoje é uma coisa muito especial para nós.” – por Gabriel Soares (ATALHOS)

TUYO

Não consegui ver os shows da Tuyo, mas soube que foram maravilhosos e li uma crítica no The Austin Chronicle que elogiava muito a performance do trio brasileiro. Além do fato deles terem sido escalados para a festa de abertura do SXSW no Empire Garage, o que por si só já um destaque e tanto, a banda ainda tocou na incrível Saint David’s Historic Sanctuary e no Augustine. Na edição online, a Tuyo já tinha sido destaque nas indicações do New York Times, o que lhe rendeu um novo convite para 2022 e a banda fez por merecer e justificou todo seu talento com 03 performances completas durante o SXSW 2022. A carreira internacional da Tuyo já começa a decolar e o caminho deles é bastante promissor. Para dar um relato sobre como foram os shows da Tuyo no SXSW, convidamos o músico carioca Saulo Von Seehausen, artisticamente conhecido como O SAUDADE, e ele descreveu a participação da banda curitibana assim:

“Acompanhar de perto os primeiros shows da Tuyo nos EUA, para o SXSW 2022 foi incrível. Já assisti a eles diversas vezes no Brasil, então estava curioso para saber a recepção de um público que majoritariamente não fala português. Não foi exatamente surpreendente, mas é sempre revelador presenciar o poder da música para além das barreiras da língua. Seja num show com mais pressão e animação como na abertura do festival no Empire Garage, ou numa versão mais intimista na St. David’s Historic Sanctuary, foi possível ver pessoas acompanhando de olhos fechados, chorando, ou de olhos completamente abertos – entregues à música do trio de Curitiba e absorvendo a mensagem independente da letra.”O SAUDADE, Saulo Von Seehausen.

TAGUA TAGUA

A Tagua Tagua foi outra banda que soube aproveitar muito bem as oportunidades que teve. Escalada para tocar em 07 shows, a banda metade gaúcha, metade sergipana, mas radicada em São Paulo aproveitou bem suas chances e se destacou em shows no Hotel Vegas e Sahara Lounge. Além disso, fizeram uma performance perfeita no palco da BRAIN no Easy Tiger, angariando elogios da galera do Elephant Stone, e do vocalista do The Black Angels, o cantor/compositor Alex Maas.

Conversamos com o líder e vocaista/guitarrista Felipe Pupperi sobre suas impressões a respeito do SXSW, e ele comentou:

“Já tinha ido ao SXSW uma vez, em 2018. Dessa vez, após uma pandemia e vários adiamentos a sensação foi diferente. Nesse ano fui pela primeira vez como Tagua Tagua, fizemos 7 shows nos 4 dias do festival. Foi incrível, desde a receptividade do público até a organização dos palcos com tanta gente rodando. Muita música rolando na cidade, bandas e artistas conhecidos ao lado de outros totalmente desconhecidos, fazendo do SXSW um festival bem democrático nesse sentido. Senti falta de música negra, achei o festival bem branco, roqueiro e pouco diversificado nessa questão, um tanto diferente da minha impressão de 2018. Acabei vendo mais os shows próximos da gente devido à correria. Curti bastante o Teke Teke, banda japonesa baseada em Montreal, os já veteranos locais do White Denim e o Jerry Paper, que tocou logo após nosso show no Hotel Vegas.
Não restam dúvidas de que o SXSW é um dos festivais mais legais do mundo, altamente recomendado pros amantes de música e apaixonados por descobrir novidades.” – Por Felipe Pupperi (Tagua Tagua)

Foram 22 Shows em 2022, que marca para a BRAIN!!

A BRAIN Productions Booking colocou sua marca no SXSW de forma potente e incontestável! Dos 22 shows realizados pela BRAIN Productions Booking esse ano no SXSW, podemos dividir as datas e artistas da seguinte forma:

  • 06 shows para ATALHOS (BR), sendo um (01) no BRAIN Stages.
  • 04 shows para ISLA DE CARAS (AR), sendo um (01) no BRAIN Stages.
  • 04 Palcos BRAIN (chamados de BRAIN Stages), em parceria com GigFinesse, onde colocamos mais 12 artistas, de diversas partes do mundo para tocar: Pinc Louds (US), Scrounge (UK), Status/Non Status (CA), BALTHVS (CO), a/lpaca (IT), Hot Garbage (CA), TEKE::TEKE (CA), Tagua Tagua (BR), Elephant Stone (CA), Queralt Lahoz (SP), Yoo Doo Right (CA), Lofi Legs (US). E mais ATALHOS (BR) e Isla de Caras (AR).

Uma marca incrível para a BRAIN no SXSW, e isso melhora ainda mais se contarmos com os 14 shows que ainda vamos realizar em Boise, ID – durante o Treefort Music Fest – e em Seattle, WA no The Freakout WEEKENDER Festival. A soma final de shows de 15/Março a 02/Abril, fica com 36 shows ao todo… uma média de 02 shows por dia. Realmente fica muito difícil de comparar nosso trabalho no mercado indie internacional com qualquer outra companhia independente no Brasil no momento, apesar da lacuna de 02 anos causada pela pandemia, o trabalho da BRAIN já é conhecido e respeitado internacionalmente, e nesse começo de 2022 nós voltamos com tudo para os negócios com o Mercado Norte-Americano. E a agência não vai parar por aí, já que a Europa também é um destino de nossos artistas no primeiro e segundo semestre desse ano.

Sem alarde e nem querendo fazer auto-propaganda, a BRAIN mostrou toda sua diversidade em termos de curadoria, trazendo artistas latinos, mulheres, diversas raças e línguas para seus palcos. Uma verdadeira torre de Babel musical, isso se chama INTERCÂMBIO CULTURAL.

Foram 04 palcos assinados pela BRAIN Productions Booking, dois deles aconteceram na absurdamente linda Meanwhile Brewery Co. e os outros dois na também incrível Easy Tiger, tradicional casa de shows e eventos de Austin com 04 sedes espalhadas pela cidade.

Palcos da BRAIN

A agência de shows BRAIN Productions Booking marcou sua presença esse ano no SXSW de maneira definitiva. Organizando 04 palcos exclusivos em parceria com a plataforma local GigFinesse, e realizando um total de 22 shows na cidade em apenas 05 dias de evento. Foi uma maratona, mas vencemos essa etapa com louvor e sem nenhum esforço. Afinal, a experiência de anos no mercado musical serve para isso, encurtar caminhos e deixar que as coisas aconteçam de maneira leve e fluída para os artistas, o público e quem está trabalhando na produção e execução dos eventos. Nesse ponto, deixamos nosso louvor para a equipe da GigFinesse, que não só montou os palcos com extremo primor e qualidade técnica e de som, como também atendeu nossos artistas de maneira perfeita, lhes proporcionando tardes/noites totalmente agradáveis, com extrema qualidade e profissionalismo impecável. Para dar uma ideia melhor do que conseguimos realizar, pedimos ao nosso parceiro Tyson J. Swindell, curador e comprador de talentos da plataforma GigFinesse para dar um depoimento sobre a curadoria da BRAIN Productions Booking no SXSW:

“Eu sou um agente de reservas e comprador de talentos durante todo o ano, e este ano entrei em contato com a BRAIN Productions Booking para me ajudar a organizar algumas das festas não oficiais do SXSW dos meus venues. Eu sabia que podia confiar na BRAIN Productions Booking para entender minhas necessidades e as necessidades dos meus clientes, sabia que o gosto musical da BRAIN era de primeira qualidade e expansivo, sabia que poderia esperar profissionalismo, mas principalmente sabia que as vibrações seriam perfeitas para celebrar o primeiro SXSW desde que a pandemia começou e precisávamos muito ouvir música de todo o mundo. A BRAIN Productions Booking me ajudou a conseguir isso e trouxe sorrisos para milhares de pessoas ao longo da semana. Simplesmente não posso dizer coisas boas o suficiente sobre esta empresa, especialmente Bruno.”

Tyson Swindell
GigFinesse, INC
Curador, Comprador de Talentos, Músico

 

Meanwhile Brewery Co.

Meanwhile é uma fábrica de cervejas artesanais que inaugurou há poucos meses em Austin e já se tornou um dos lugares mais frequentados da cidade, com um pátio enorme e incrivelmente aconchegante, o venue é hype total em Austin e lota todos os dias por frequentadores diversos em busca das melhores cervejas artesanais e shows inéditos. O palco da Meanwhile Brewery recebeu artistas como: Pinc Louds (US), Scrounge (UK), Status/Non Status (CA), Queralt Lahoz (SP), Yoo Doo Right (CA) e Lofi Legs (US).

Easy Tiger / East

Easy Tiger é um venue clássico em Austin e tem várias sedes espalhadas pela cidade. O nosso palco ficou localizado no Easy Tiger East na 7th Street, lado a lado com o Hotel Vegas. Localização perfeita, pátio enorme e shows impecáveis tomaram conta do palco. doEasy Tiger, que recebeu artistas como: BLATHVS (CO), a/lpaca (IT), Hot Garbage (CA), TEKE::TEKE (CA), Isla de Caras (AR), ATALHOS (BR), Taga Tagua (BR) e Elephant Stone (CA).

MELHORES SHOWS

A lista de shows legais foi imensa, mas resolvemos postar apenas os 20 melhores que assistimos:

1. SURFBORT (no CheerUp Charlies)

Vocalista que arrasa do começo ao fim do show, performance assustadoramente potente e muito vigor dos músicos que a acompanham. Em alguns momentos soa como Punk, em outros como Emo-Punk, mas isso é nada perto do carisma da vocalista Dani Miller. Olho bem aberto nessa banda novaiorquina.

2. ATALHOS (no All Day, All Night, Allright)

Depois de um show tímido e ainda se ajustando com o novo baterista no The Electric Church na noite anterior, a ATALHOS subiu ao palco do The Pink Warehouse na festa All Day, All Night, Allright organizada pelo coletivo feminino Art Island e mostrou suas garras!!! Um set fulminante do começo ao fim, colocando toda a platéia para dançar e sentir a vibração extasiante de seu novo álbum “A Tentação do Fracasso”. Dizer que roubaram a cena dessa noite é meio que pleonasmo, eles foram além, muito além e marcaram sua presença no SXSW com um show potente, conectado e tecnicamente perfeito. O público ficou totalmente convencido que ali estava nascendo algo novo, e se envolveu do começo ao fim. Das 06 apresentações da ATALHOS no SXSW, essa com certeza foi a melhor e mais quente de todas. Destaque para o Encore com a música “Ushuaia”, um combo shoegaze/dreampop envolvente e psicodélico que levou o público ao delírio.

3. TEKE::TEKE (no Swan Dive)

Um dos melhores shows do SXSW disparado, os japaneses-canadenses da banda TEKE::TEKE roubaram a cena em Austin, com performances arrasadoras, em especial essa do Swan Dive que contou com a presença de um enorme e seleto público, incluindo toda a galera do selo Kill Rock Stars e diversos promoters internacionais de Festivais, agências de shows e venues ao redor do mundo. Outro destaque foi a performance deles no palco da BRAIN no Easy Tiger, um show que aconteceu debaixo de sum sol escaldante de 4 da tarde e colocou todo mundo para dançar. Olho vivo nessa banda porque 2022 é deles!!!

4. CALLIOPE MUSICALS (no All Day, All Night, Allright)

Umas das melhores performances que vi no SXSW, e já dava pra notar isso desde o momento em que pisaram no palco, com todos os membros da banda vestidos em sacos plásticos pretos, daqueles de lixo. O cara do sintetizador – que também cantava – carregava um amplificador no peito como se fosse uma mochila colocada na sua frente, e destruía tudo com o synth que estava acoplado no ampli. Foi absurdo!!! A vocalista também se destacava, pelo visual e pela performance vocal arrasadora e cheia de trejeitos. Era frenético demais o show e contagiante.

5. ELEPHANT STONE (no Easy Tiger / BRAIN Stages)

Show impecável, potente e cheio de músicas deliciosas. A Elephant Stone acaba de lançar um EP com músicas em Francês e é um artista que está preparado para qualquer palco, inclusive gostaríamos muito de ver o show deles aqui no Brasil e na América do Sul. O show teve presenças VIP de músicos e artistas da cena de Austin, como Alex Maas (The Black Angels) e John Mark Lapham (Mien), além do Oswald James (Alta real Pictures), Cléver Cardoso (Space ATX Studios), Sebastián Ruiz-Tagle (Costa Futuro).

John Mark Kalpham (Mien), Bruno Montalvão (BRAIN), Alex Maas (The Black Angels) e Rishi Dhir (Elephant Stone).

6. THE SHIVAS (no The Side Bar)

Potência do começo ao fim, o grupo THE SHIVAS – originário da cidade de Portland, OR – entregou a alma numa performance forte e tecnicamente perfeita. Peguei o show somente da metade para o fim, pois estava correndo de um palco para outro nesse dia, mas mesmo assim deu para entir que a banda evoluiu bastante e está mais afiada do que nunca. O grupo formado em 2006, mostrou que a maturidade musical é boa e faz com que o show fique perfeito. Os vocais de Jared Molyneux (voz, guitarra) e Kristin Leonard (bateria e voz) e o baixo de Eric Shanafelt agora contam com um novo guitarrista.

7. TAGUA TAGUA (no Hotel Vegas)

A banda subiu no palco do Hotel Vegas com o jogo ganho e a casa cheia. Jogaram para vencer e venceram! A Tagua Tagua deu a sorte de pegar um dos melhores horários de show no Hotel Vegas e não decepcionou, agarrou a oportunidade com muita presença de palco e entregou ao público um show tecnicamente perfeito, conquistando a galera com seu combo de indie rock, tropicalismo, pop e letras em português, provando assim como a ATALHOS, que a língua não é uma barreira quando se tem boa música para mostrar. Ouvi muitos elogios ao baterista Leo Mattos, que chamou atenção do público pela sua técnica e estilo cool de tocar seu instrumento. Além disso, também ouvi muitos elogios ao vocalista/guitarrista Felipe Pupperi que comandou a festa dos Tagua Tagua no clássico Hotel Vegas. Podem anotar: Tagua Tagua irá crescer muito nos Estados Unidos nos próximos anos.

8. W.I.T.C.H. (no Hotel Vegas)

Clássico combo punk de Zâmbia, o W.I.T.C.H. roubou a cena e a atenção do público no Hotel Vegas. Com um show potente e performance assustadoramente contagiante, a banda colocou o Hotel vegas para dançar e fazer mosh, a poeira subiu e a terra tremeu. Depois do show ainda pude tietar alguns dos integrantes da banda e batemos um papo transcendental sobre conexão astral e heranças musicais africanas na música brasileira. Estar ao lado de LENDAS como o W.I.T.C.H. me deixa honrado e muito feliz. Thanks Universe!!!

9. BUZZARD BUZZARD BUZZARD (no International Stage Day)

Peguei só o finalzinho desse show, as 03 últimas músicas, mas deu para sentir que a banda era excelente e tinha uma energia de palco bem gostosa. Galeses estilosos da Buzzard Buzzard Buzzard, é bom ficar de olho neles, pois em breve podem dar muito o que falar.

10. QUERALT LAHOZ (na Meanwhile Brewery / BRAIN Stages)

Sensual, dona de uma voz potente e uma performance hipnotizante. A cantora Queralt Lahoz subiu ao palco com sua banda, formada por 03 músicos todos vestidos de branco, e conquistou a platéia da Meanwhile Brewery Co. com músicas cantadas em espanhol e um mix sonoro que ia do Rap ao Flamenco num estalar de dedos, passando pelo Pop, Hip Hop e Trap. Queralt Lahoz roubou a cena e se destacou como um dos melhores shows dos palcos da BRAIN. Aqui deixamos nosso obrigado ao empresário dela, Rámon e ao Sebástian, do selo Costa Futuro.

11. BALTHVS (no Easy Tiger / BRAIN Stages)

Os Colombianos da BALTHVS pouco se incomodaram com a baixa presença de público, muito por conta do sol escaldante de 1 (uma) da tarde que castigava até na sombra. No palco, o trio de Bogotá arrasou e mostrou um show tecnicamente perfeito e absurdamente conectado e cheio de hits indie. A música da BALTHVS passa pelo funk e o Disco dos anos 70, com roupagem atual, e influências que vão do Afrobeat, ritmos folclóricos colombianos até o indie instrumental de bandas como Khruangbin. Altamente indicado para quem curte um som suingado e cheio de surf music na sua raiz. O show deles precisa chegar no Brasil urgentemente. O público brasileiro não perde por esperar, BALTHVS tem tudo para conquistar!!!

12. PINC LOUDS (na Meanwhile Brewery / BRAIN Stages)

Genial performance de Claudi, mais conhecido pelo seu projeto PINC LOUDS. O músico subiu ao palco sozinho e abriu as noites da BRAIN na Meanwhile Brewery Co.

Dizer que ele roubou a cena da noite é pouco, ele assaltou corações e mentes, com sua voz totalmente absurda e cheia de efeitos de pedais e falsetes surreais. Claudi e o PINC LOUDS entram automaticamente na lista de melhores shows do SXSW, e podemos constatar ainda mais o sucesso da apresentação-solo dele quando acabou o show e ele foi para a mesinha de Merch, ficando o show seguinte inteiro vendendo produtos e tirando fotos com a platéia. Faturou bastante em Merch nessa noite, o que nos deixou muito felizes.

Pinc Louds + Brain Productions + Tyson Swindell (GigFinesse)

13. PAUL JACOBS (no Hotel Vegas)

Indie Pop e Folk Rock são os tons principais da música de Paul Jacobs, mas o lado psicodélico também marca forte presença. Gostei muito da menina que fazia os synths, um charm a mais na banda e na performance de Paul Jacobs. Anote esse nome e pesquise mais sobre esse artista canadense.

14. TC SUPERSTAR (no All Day, All Night, Allright)

Uma apresentação que te faz mergulhar de volta aos anos 80, com sintetizadores marcando presença e duas bailarinas que dançavam durante todo o show, transformando a performance num verdadeiro espetáculo. O TC Superstar é moderno e retrô ao mesmo tempo, o som é atolado de sintetizadores 80’s e a guitarrista dá um tom indie delicioso com seus riffs bem pontuados. Destaque para o vocalista e as dançarians em super harmonia durante todo o show. Olho vivo neles!!

15. JERRY PAPER (no Hotel Vegas)

Jerry Paper fez um show potente e super concetado com a platéia. A banda que o acompanhava tinha uma menina no baixo e synths e os outros integrantes vestiam-se com roupas bem cool, como se tivessem sido ejetados diretamente dos anos 70 para o palco do Hotel Vegas. Paper cantou durante 40 minutos um monte de hits indie e levou a platéia ao delírio diversas vezes, principalmente na última música, que foi cantada em coro pela platéia. Ao vivo e com banda completa o show de Jerry Paper é muito bom e bem diferente daquele que vimos no Brasil, há alguns anos atrás, que foi bem morno e sem banda. Aliás, as produtoras de shows do Brasil podiam PARAR DE TRAZER ARTISTAS GRINGOS SEM BANDA, isso é enganar o público, para só dizer que faz algo com artistas gringos e encher sua agenda de datas. Shows-solo quase nunca convencem, a não ser que o artista seja um gênio como Pinc Louds.

16. YARD ACT (no CheerUp Charlies)

Os ingleses do YARD ACT mandaram ver no palco do CheerUp Charlies, com suas guitarras deliciosamente psicodélicas e músicas que iam ganhando força a cada acorde. O público que lotava o palco externo do CheerUp Charlies estava entregue ao som dos ingleses e o que vimos foi um show tecnicamente perfeito, do começo ao fim. Mais uma banda para ficar de olho vivo, pois vão dar muito o que falar ainda esse ano.

17. EGG DROP SOUP (no All Day, All Night, Allright)

O som das Egg Drop Soup é pesado, denso e com boas doses de punk rock. O trio de Los Angeles se destacou pela performance bem consistente e a presença das duas vocalistas, uma delas é baixista e canta a maioria das músicas (ela também toca na banda Death Valley Girls), a outra é guitarrista. O time é completado pela excelente baterista Bailey. Se vocês gostam de rock feminino com potência e músicas divertidas, essa é sua nova banda.

18. TRES LECHES (no Hotel Vegas)

O duo de Seattle tem um show bem divertido, e os vocalistas Aiala (guitarara e voz) e Ulysses Mariscal (bateria, voz) se revezam e conseguem manter o clima sempre para cima. Depois dos shows pude conversar com a Ayla e trocamos carinhosos abraços, já nos conhecíamos virtualmente, mas o SXSW foi a primeira vez que nos vimos realmente. Tão bom poder abraçar nosso amigos novamente. Obrigado Tres Leches pelo show super potente que fizeram, colocando o Volstead Lounge para bailar.

19. THE DREAM SYNDICATE (no Hotel Vegas)

Guitarras altas, som potente e um pop nostálgico e gostoso de ouvir, os tiozões da banda The Dream Syndicate subiram ao palco do Hotel Vegas e destilaram vários hits de sua carreira, notou-se a presença de pessoas mais velhas misturadas aos jovens na platéia do Hotel Vegas. O show foi muito divertido do começo ao fim, até mesmo para quem conhecia pouco a banda, como eu.

20. SCROUNGE (na Meanwhile Brewery / BRAIN Stages)

Mesmo que prejudicada pela falta de voz em algumas músicas, Lucy Alexander (guitarra, vocais) e Luke Cartledge (bateria, percussão). detonaram um set maravilhoso e cheio de vigor no Meanwhile. A voz dela falhou um pouco durante o show do Meanwhile por conta de um outro show que eles haviam feito num barco, horas antes. Nem por isso a performance foi prejudicada e apesar de tudo, o rock pesado e super moderno do Scrounge foi bem recebido no palco da Meanwhile Brewery Co.

DESTAQUE-EXTRA:

LOS BITCHOS (Não vi, mas agostei)

Não consegui ver os shows das Los Bitchos, mas nem precisava, porque já sei que a banda é SUCESSO! E devem ter arrasado em cada uma de suas apresentações no SXSW… recebeu elogios de meu amigo Jean-Philipe Sauvé, diretor da SODEC/Canadá e só isso basta.

 

ATALHOS / WORLD TOUR 2022

A Brain Productions Booking em parceria com a agência italiana de Booking de Shows Annibale Records, apresenta exclusivamente as primeiras datas da turnê mundial da banda ATALHOS, que acaba de lançar seu novo álbum. Confiram a TOUR MUNDIAL da @atalhosbanda que irá cruzar oceanos e passar por diversos países para promover o novo album da banda “A Tentação do Fracasso”.

Os primeiros shows divulgados atingem países como Brasil, Estados Unidos, Dinamarca, República Tcheca, Áustria, Reino Unido, França, Suíça, Alemanha, Suécia e ainda TEM MUITO MAIS POR ANUNCIAR…

SIGAM: @atalhosbanda
Turnê promovida e organizada pela @brainproductions e @annibalerecords

Bruno Montalvão

Carlo Bruno Montalvão gosta de gatos, acredita em ETs e se considera um deles, prefere Marvel, Torce pro Lakers e Flamengo e espera que o mundo se cure de todas as mazelas dessa pandemia e que todes se Vacinem. Montalvão também é manager, booker e produtor cultural com +20 anos de experiência e trabalhos realizados na Indústria Musical. Já realizou turnês por todo o Brasil, e também Estados Unidos, Marrocos, Canadá, México, Argentina, Espanha, Chile, Itália, Suíça, França, deu palestras no SXSW, Pop Montreal e diversos outros Festivais. Trabalhou com artistas como Mac DeMarco, Sebadoh, Jonathan Richman, Acid Mothers Temple, Vanguart, entre outros. Atualmente comanda a Brain Productions Booking e o selo indie Before Sunrise Records. #UsemMáscaras #VacinaparaTodos

× Curta Music Non Stop no Facebook