música eletrônica

Oito selos brasileiros de música eletrônica que você precisa conhecer. Dance music local com respeito planetário

Bruna Moura
Por Bruna Moura

Gravadoras independentes de música eletrônica movimentam o cenário e servem de trampolim para artistas

Ainda é comum que, quando se trata de gravadoras de música eletrônica tenhamos como referência grandes labels internacionais. O motivo é evidente, já que a cultura dos nightclubs chegou mais tarde por aqui e consequentemente o trabalho de DJs e produtores também se iniciou anos depois.

Mas a riqueza do material produzido hoje por aqui não se distancia em nada em sua qualidade e alcance, alguns até são fabricados no exterior, como é o caso de algumas gravadoras que investem na produção de vinil e optam pela distribuição fora do Brasil visando melhor desempenho nas vendas e menor custo.

Hoje com diversas ferramentas de streaming e venda de música eletrônica digital, como o BandCamp, por exemplo, é simples um selo começar a colocar sua cara no mercado de forma independente e com total potencial de um bom desempenho interno e fora do Brasil, aliás estamos falando de internet, o universo atingível pela maioria da população do planeta.

Eu como DJ, minha pesquisa musical é baseada em filtros de gênero musical. Assim, eu escuto absolutamente todos, T-O-D-O-S, os lançamentos relacionados aos estilos de música eletrônica que procuro e desta maneira alguns dias chegam a somar mais de 300 músicas onde nem 10% realmente fará parte de um set meu. O processo requer tempo e paciência e sei que muitos artistas e consumidores de música não se dispõem a isso, por isso é muito comum que escutem apenas o que lhes soam familiar. Por tanto, vejo que o critério mais utilizado sobre o que terá a devida atenção é o selo.

Embora alguns possam passar longe dos holofotes da mídia, cada vez mais os selos nacionais ganham respeito e espaço. Na mesma medida se solidificam e demonstram a relevância dos seus lançamentos, potencializando artistas brasileiros e atraindo produtores internacionais.

Por esse motivo vou listar algumas das gravadoras Made in Brazil que não devem passar despercebidas em sua pesquisa musical de jeito algum!

 

SUDD RECORDS

Sudd Records iniciou o primeiro label em 2014, apresentando artistas nacionais criando um coletivo muito coeso musicalmente, o que fez que seus lançamentos girassem em torno do Deep. Logo, a expansão dos Labels Dub, WAX, WAX Limited, Vinyl Series, conectou diferentes formatos de mídia e gêneros em uma única alma da gravadora. 

Já passaram pelo selo Ney Faustini, Trajano, Brunno Lima, Konnin, Boghosian e muitos outros, abrindo também para artistas internacionais.

O próximo release é o Catálogo SUDD027, do projeto H3ADZ de André Bacon. André também assina em breve release autoral no Sudd WAX e um belo Remix para STK no Sudd WAX Limited.

CUTTING CORNERS

A premissa da gravadora Cutting Corners é deixar o artista totalmente livre para expressar e criar o contexto do seu EP. Isso se aplica até mesmo a capa do álbum, o que para mim é uma das ideias mais originais e curiosas da label. Entre alguns dos artistas que já desenharam suas próprias capas estão, FTexa, Zipel, Soder, Pedro Floriani, Juno & Junior e o nome de londres Fief.

Capa Boom EP

Capa do CC011 “BOOM” de Oneloop.

Desde o seu início em 2019 até hoje já foram lançados 15 releases e uma compilação que reúne os melhores lançamentos de 2020. O penúltimo release, lançado em março deste ano, teve minha total atenção. “First Exploration” é o EP de debut de Tulio Turbo e de cabo a rabo eu não me canso de escutar, topa ouvir também?

 

BISCOITECA RECORDS

O coletivo do qual faço parte, Biscoiteca Social Club, movimentou bastante a cena de música eletrônica de Florianópolis em 2018, ano em que nos reunimos em volta do setup de discotecagem para comer as Pizzas Jazz e as empanadas artesanais inspiradas em música do nosso amigo cozinheiro e DJ, Adrian Benitez, natural da Argentina. Entre amigos, realizamos diversos livestreamings com os artistas locais e logo estávamos fazendo nossos primeiros eventos, um deles com a presença do enigmático Moodymann e outro com Sammy D, um dos integrantes do PillowTalk. A ideia da label chegou no ano seguinte e concentramos nossas vendas no BandCamp, uma alternativa muito utilizada por gravadoras que fogem das taxas de grandes distribuidoras ou que gostam do senso de exclusividade que a ferramenta oferece. Sisto, label manager da Biscoiteca Records, foi o responsável pelo álbum de estreia “A Jornada” que conta por meio da música os ciclos de 24hs em que vivemo

O terceiro e último lançamento da gravadora foi assinado pelo produtor musical gaúcho Pedro Floriani e é um passeio sonoro por diversas atmosferas nostálgicas com o uso da técnica de sampling, recontando histórias de uma forma muito autêntica. Para combinar com tudo isso, as 12 faixas do EP foram parar também no formato de fita K7 que pode ser adquirida também pelo BandCamp.

música eletrônica

Imagem divulgação da fita K7 no BandCamp.

CREMA

Original do Rio Grande do Sul, a novata Crema Recordings nasceu no cenário pandêmico onde o coletivo que realizava festas em Pelotas desde 2014 já não podia mais se reunir. Para a idealizadora, Maria, a ideia vem como uma pausa necessária do corre-corre que era a organização de eventos e é apenas um dos braços da manifestação artística que envolve o coletivo como um todo.

música eletrônica

Camisetas da Crema. Foto: Instagram.

Além do respiro, a Crema Recordings representa uma das grandes paixões da idealizadora, que é a cultura do vinil e aposta na distribuição musical no seu formato analógico, fabricado e distribuído na Alemanha. Para combinar com o contexto de vanguarda, tem como base a música eletrônica em sua essência, House e Techno com timbragens bem incomuns, desproporcionais e formas pouco exploradas. O primeiro release foi assinado pelo duo Stekke, que também faz parte do time de artistas residentes da festa. O próximo release já está engatilhado e quem está a frente é o produtor Max Underson.

 

ABOUT DISCO

Uma das veteranas em meio as minhas indicações, About Disco foi criada em 2014 e começou suas atividades no início de 2015. Na época Rafael Cancian estava fazendo alguns edits e tocando várias coisas desde House ou até mesmo Techno que tinham sample Disco na sua composição, muitas vezes de formas ocultas. Assim como grande parte dos artistas que resolveram criar sua própria label, a motivação era colocar no mercado as próprias músicas e dos amigos.

“Eu tinha 23 anos e estava na universidade, não sabia quase nada de inglês mas eu sabia como fazer os corres de uma label por causa dos anos anteriores na DeepBeat com o Fabro. Havia programado material para lançar minhas produções e de quem mais quisesse ter uma oportunidade que outros selos não deram. Desenvolvi os moldes da label, um grande amigo de faculdade fez a logo e iniciei. No começo havia pouca repercussão, mas com um tempo foi atraindo a atenção das lojas de venda de música e dos grandes DJs também.”  contou Cancian sobre o início da jornada da gravadora.

Ao longo da trajetória da gravadora artistas como C. Da Afro, Ziggy Phunk e NFC também fizeram lançamentos pela label e não só o objetivo inicial se cumpriu, rendendo suporte de excelentes DJS como o de Greg Wilson, Horse Meat Disco, Dicky Trisco, Miguel Migs, Faze Action, PBR Streetgang entre outros.

Entre os mais de 40 lançamentos, o último reúne artistas tupiniquins e outros que vão além das fronteiras do Brasil com o senso comum: Disco!

 

SKETCHES RECORDS

Como o nome deduz, Sketches é resultado de muitos rascunhos, estudo, sonho e alma dos representantes do selo Ale Reis e Renee desde 2016, apostando no formato 12’. O Label traz uma raiz de influências musicais ricas e intensas, com estética leve e sutil. Elementos eletrônicos que soam entre Deep, House e Techno, em composições minimalistas de artistas brasileiros e grandes nomes internacionais.

SKT014 é o último release lançado, uma colaboração entre os artistas Audio Werner & Stekke (Werkke) com re-interpretações do duo Cab Drivers e o veterano de Detroit, Gari Romalis (Dub, House, Techno). Max Underson, após SKT006, retorna ao label no SKT015, em colaboração com Stekke, e remixes de XDB e Melchior Productions Ltd.

 

ME GUSTA RECORDS

Encarregada por eventos marcantes na cidade do Rio de Janeiro, expandiram os horizontes da marca com a criação da gravadora em 2019. Desde sua criação até aqui, a Me Gusta Records já soma dezoito lançamentos oficiais incluindo três compilações, sendo alguns deles assinados por grandes expoentes da cena, como: Leo Janeiro, Flow & Zeo, Marcello V.O.R., Fabio Santanna aka Live Motel, Ella de Vuono, Felipe Fella, Saulo Ferraro, Ossaim, Vallent, Mary Olivetti, Alex S, entre outros. Muitos deles obtiveram grandes resultados, chegando a figurar em diversas categorias do Top 100 do Beatport, uma das maiores plataformas de venda de tracks digitais do mundo, e também fazendo parte de playlists oficiais do Spotify.

O próximo lançamento da Me Gusta Records chega às lojas no dia 12.05, e é considerado um passo gigante para a marca. A faixa “Pleasure”, do casal Flow & Zeo que saiu no V.A comemorativo de 01 ano da label, será relançada e ganhou remixes dos renomados produtores mundiais Andreas Henneberg (Alemanha) e Khainz (Suíça). Além dos europeus, o release também conta com a releitura dos pratas da casa Beranger e T_Pazos, representando o Brasil.

Escute o V.A comemorativo de um ano do selo:

 

CONCRETA SALA

Liderada pela digger brasileira, Priscilla Cavalcante, também conhecida como House of Pris, a Concreta Sala é o resultado do trabalho de uma vida inteira em torno da música, o que fez do CS mais do que um arquivo de músicas fodas, tornado-o um lugar para se misturar com pesquisadores, DJs, colecionadores e outros músicos interessados ​​em horas intermináveis ​​de música boa e desconhecida. Com base em Miami e conectada com todo o mundo, Concreta Sala é uma label multifacetada, atuando como rádio, loja, produtora de eventos e agora: Gravadora!

Em junho de 2021 lançará o primeiro volume de uma série de compilações intitulada “PROIBIDŒ”, refletindo os 25 anos de pesquisa de Pri. Este primeiro volume apresenta uma faixa techno original e remasterizada de 20 anos, “Drop Your Guns“, do multi-instrumentista El Presidente Hi-Fi. Lançada inicialmente em 2000, agora remixada por três artistas brasileiros: Sisto, Mau Maioli e Hugo Frasa.

Acesse para acompanhar o vem por aí: https://www.concretasala.com/

× Curta Music Non Stop no Facebook