R.E.M Chronic Town

R.E.M. prepara edição comemorativa de 40 anos de seu primeiro EP, gravado em uma garagem!

Por Claudio Dirani

“Chronic Town” – gravado em uma garagem convertida em estúdio – será lançado pela primeira vez em CD

No verão de 1981, o R.E.M. decolou no pop alternativo com o single “Radio Free Europe”, distribuído pelo selo independente de Atlanta Hib-Tone. A cartada seguinte do quarteto de Athens, Geórgia, seria um pouco mais ousada. Um ano mais tarde, desta vez pela emergente gravadora I.R.S,https://www.discogs.com/label/4087-IRS-Records o grupo favorito das universidades norte-americanas ampliaria sua discografia e alcance comercial com Chronic Town, um EP de 12 polegadas contendo cinco canções, e que agora recebe a sua primeira e almejada encarnação em CD após 40 anos. A edição comemorativa de Chronic Town, agendada para o próximo 19 de agosto, também poderá ser adquirida nos formatos Picture Disc e fita cassete.

Produzido por Mitch Easter nas dependências do Drive-In Studios, na Carolina do Norte, Chronic Town pode ser dividido em duas partes. No original em vinil, o lado A foi chamado pelo R.E.M. de “Chronic Town” e traz as faixas “Wolves, Lower”, “Gardening At Night” e “Carnival Of Sorts (Box Cars)”. Já o lado B ganhou o nome de “Poster Town” e apresenta as faixas “1,000.000” e “Stumble”.

R.E.M. e Chronic Town: gerado em uma garagem na Carolina do Norte

Assim como as faixas “Radio Free Europe e “Sitting Still” – respectivamente, lados A e B do single de estreia da banda – as músicas que entraram em Chronic Town foram gravadas e produzidas por Mitch Easter no Drive-In Studios, situado na pequena Winston-Salem. O que poucos sabiam, de fato, era que o Drive-In Studios não passava de uma garagem com capacidade para dois carros e convertida em estúdio de gravação, a pedido da família de Mitch Easter.

“Meus pais compraram a casa quando eu estava terminando a faculdade”, conta Easter. “Era um desses ranchos do final dos anos 1940, e a garagem ficava bem distante da residência. Quando o estúdio ficou pronto eu quis usá-lo como experiência para ver se conseguiria fazê-lo funcionar. Não tive coragem de começar em Nova York”, relembra o produtor de Chronic Town.

A primeira sessão no Drive-In Studios foi muito rápida. Tivemos pouco tempo para nos conhecer.”, recorda Mitch Easter. “Porém, quando chegou a hora de voltar ao estúdio para fazer Chronic Town, conseguimos aproveitar mais. Naquele momento, estava ouvindo muito Low, de David Bowie. Então, sugeri ao R.E.M. usarmos alguns loops e efeitos sonoros estranhos. Eles adoraram a ideia e seguimos com o plano. Foi muito divertido”, completa.

R.E.M e Chronic Town: segredos do EP

* Existem quatro versões de estúdio de “Gardening At Night”.

* A primeira e mais comum, incluída no vinil original, está em Dead Letter Office e na coletânea And I Feel Fine: The Best of the I.R.S. Years 1982-1987, lançada em 2006 em compact disc. Já quem procurar pela edição dupla irá encontrar um take mais lento da música no disco extra. *

* Outra versão de “Gardening At Night” é a que traz o take original da faixa e pode somente ser encontrada na compilação Eponymous. Por sua vez, quem abater o CD europeu I.R.S – Vintage Years, conseguirá o raro registro acústico em estúdio da faixa.

* A letra de Carnival Of Sorts (Box Cars)” é inspirada no longa de David Lynch, “O Homem Elefante”, de 1980.

* Michael Stipe:Toda vez que canto essa música me lembro de como a escrevi. Foi uma cena de “O Homem Elefante” onde eles estão em um desses parques itinerantes antes de deixarem a cidade. Eu amo o filme. Ele fica melhor a cada ano”.

* A misteriosa capa de Chronic Town é o retrato de Stryge – uma quimera da Catedral de Notre-Dame, em Paris. Inserida na edificação em 1840, a figura observa de forma enigmática a Torre Eiffel.

Claudio Dirani

Claudio D.Dirani é jornalista com mais de 25 anos de palcos e autor de MASTERS: Paul McCartney em discos e canções e Na Rota da BR-U2.

× Curta Music Non Stop no Facebook