Festival Sónar + D torna-se virtual este ano com dois canais de transmissão ao vivo gratuitos

Amanda Sousa
Por Amanda Sousa

Artista venezuelana ARCA

Desde 1994, todo mês de junho, numa grande festa que dura três dias, o Festival Sónar – referência em festivais internacionais – vem transformando o clima de Barcelona, tornando-se o epicentro da música eletrônica e das propostas mais inovadoras relacionadas às novas mídias criativas. Porém, este ano, como tudo ao nosso redor, nada está como era antes. E nem o Sónar, que depois de cancelar o grande festival de cada ano, celebra agora uma edição extraordinária que vai acontecer nos próximos dias 18 e 19 de setembro no CCCB (Centro de Cultura Contemporânea de Barcelona) de forma híbrida (online e presencial) entre 10h30 e 2h do dia seguinte.

Tudo será transmitido em dois canais de transmissão ao vivo aqui e aqui, gratuito e aberto a todos. O festival contará com um programa focado na criatividade local, embora não renuncie ao talento internacional, representado por metade dos 140 artistas e palestrantes envolvidos nos concertos, debates, DJs e workshops.

Programação

Maria Arnal e Marcel Bagés

Entre os artistas participantes estão a Venezuelana Arca, Maria Arnal e Marcel Bagés (Espanha), Max Cooper (de Londres), Ryoji Ikeda (de Tókio), Nicola Cruz (de Quito), Morad, Ms Nina e Niño de Elche (de Madrid). Richie Hawtin, Mat Dryhust e Holly Herndon também falarão em um painel sobre o futuro dos clubes pós-pandemia. As inscrições antecipadas para atividades virtuais podem ser feitas em www.sonarplusd.com  a partir de segunda-feira, 14 de setembro.

Mireia Madroñero, produtora musical da Catalan Art

Além dessas atrações, será lançado também o documentário “The Catalan Eletronic Music Scene” (2020). Um documentário produzido pela Catalan Art com roteiro de Javier Blánquez, sobre a cena eletrônica catalã com artistas como Rosalía, Coyu, beGun, Pina, Ylia, CPI, JMII, Pedro Vian, Sustainer e Luka Li.

História do festival

Sónar 1996

É 1994 e quase não existe internet. Lembra dos CD-ROMs? Os telefones para carros ainda eram mais populares do que os celulares. O PlayStation foi lançado. As fitas – vídeo e áudio – ainda eram muito importantes. Enric Palau, junto com os amigos Sergio Caballero (artista visual e músico) e Ricard Robles (jornalista musical) fundaram um evento de música e tecnologia com visão de futuro que viria a rivalizar com Antoni Gaudí como o filho cultural mais famoso da capital catalã.

Ao contrário da Internet, a música eletrônica estava em pleno andamento em meados dos anos 1990; DJs já eram superestrelas, mas a próspera cena dos clubes precisava de sua Meca – e, com a Lei da Justiça Criminal daquele ano dando aos policiais rédea solta para basicamente dar boas-vindas a qualquer um que tentasse dar uma festa no Reino Unido, foi deixado para três catalães darem luz ao festival que agora define seu gênero. Grandes nomes como Laurent Garnier e Mixmaster Morris estiveram presentes, assim como quase 6.000 foliões, que lotaram o CCCB (Sónar by Day) de Barcelona e a famosa casa noturna Apolo (Sónar by Night) da cidade entre 2 e 4 de junho de 2016.

Sónar 1997

O Sónar by Night passaria os dois anos seguintes em um local maior,fora da cidade velha de Barcelona (a estranha réplica da vila da Disney, Poble Espanyol), enquanto as atividades diurnas permaneceriam no coração da cidade (acrescentando o vizinho MACBA) até o 20º aniversário do festival em 2013, quando iria para Fira Montjuïc.

Em 1995 viu mais que o dobro de visitantes e grandes nomes como Orbital e Dreadzone foram acompanhados por instalações multimídia e painéis onde os envolvidos no crescimento da cena discutiam seu passado, presente e futuro. Isso iria crescer. Um dos momentos de definição do festival viria em 1997, a equipe unida (chefe de comunicações, Georgia Taglietti, juntou-se ao trio fundador no segundo ano do festival e tem sido um membro chave desde então) agendando um Daft Punk, no auge de sua ascendência; um truque que não seria realizado pela última vez. Essa questão de raízes e descobertas também começaria a tomar forma. Em um ano quase seminal para o evento, o co-fundador e artista Sergio Caballero também levaria seu conceito visual para o festival em uma nova direção progressiva.

Sónar 1998

 

Sónar 2000

Sónar 1999

Sónar 1999

Até este ponto, o look Sónar tinha seguido o exemplo de eventos com ideias semelhantes em toda a Europa. Em 1997, os pais do fundador surpreendentemente ocuparam o centro do palco. Caballero é um pensador radical e uma peça chave nas engrenagens que levaram o Sónar ao auge. Sua arte imprevisível criou uma identidade imitável para o festival.

Sónar 2002

Sónar 2002

No que ficou conhecido como SonarImage, o compositor / artista / cineasta invoca um conceito surrealista que compreende uma campanha mais ampla; pôsteres, panfletos, filmes (alguns dos quais se tornariam recursos completos, exibidos em festivais de cinema ao redor do mundo)  de líderes de torcida barbadas a um Elvis de cera, de cães sobre rodas a gêmeos sobrenaturais, anões telepáticos a Diego Maradona.

A obra excêntrica de Caballero corta profundamente contra a corrente, é atípica, misteriosa e tipifica a experiência Sónar; ‘Estou interessado no processo criativo. Não estou nem aí para o trabalho final ‘, afirma, em entrevista para o portal We-heart – e, de certa forma, esse ponto de vista anárquico pode caracterizar o festival como um todo. Muito do que faz o Sónar é processo. O que começou como uma feira de registro e tecnologia de acompanhamento se tornaria SonarPro – que por sua vez se tornaria Sónar + D em 2013 – um grande congresso de cultura e tecnologia que agora vê palestras, workshops, exposições de novas tecnologias, instalações, performances e todos os tipos mais rodando em conjunto com os três dias de música.

Sónar + D
Sónar + D

Sónar + D

Sónar + D

O Sónar + D de 2016 teve tópicos delicados como ‘o impacto dos algoritmos na formação de gosto cultural’ e ‘o potencial dos dados para se tornarem a matéria-prima para a criação artística’ sendo ponderados; ícones como Jean-Michel Jarre e o pioneiro do dubstep Kode9 falando sobre seu trabalho; folk do ALMA, o maior observatório astronômico do mundo, falou sobre as relações entre arte e ciência; Rolou grandes instalações imersivas do estúdio britânico Semiconductor e do artista nova-iorquino Tristan Perich;

ALMA, o maior laboratório do mundo

ALMA, o maior laboratório do mundo

Ocupando o pavilhão esportivo de Mar Bella por quatro anos a partir da edição crucial de 1997, o Sónar by Night estava em movimento novamente em 2001; instalando-se no mesmo espaço cavernoso da Fira Gran Via L’Hospitalet que ocupa hoje. Uma série de salões do tamanho de um hangar que provavelmente eclipsam todos os outros locais de rave em que você pisou.

Com uma ‘sala’ principal (SonarClub) que pode acomodar mais de 15.000 – nomes como Beastie Boys, Björk, Massive Attack e LCD Soundsystem foram acompanhados por um quem é quem da música eletrônica. A configuração do Sónar foi completada com a mudança de 2013 para o Sónar by Day de sua casa espiritual no núcleo cultural de El Raval do CCCB e MACBA.

Sónar 2000

Sónar 2000

Sónar 2001

Sónar 2001

Sónar 2004

Sónar 2004

Sónar 2008

Sónar 2008

Sónar 2013

Sónar 2013

Você pode achar que é difícil manter a relevância por meio de um crescimento tão exponencial, que o movimento off (uma série de eventos que se tornaram uma preocupação séria) e as inúmeras outras festas que surgem na cidade todo mês de junho prejudicariam os velhos e trêmulos dinossauros. Mas voltemos brevemente ao nosso amigo Sergio Caballero: explorando temas de sacrifício nos anos 1980 com Los Rinos (o coletivo de arte que ele formou com dois amigos na adolescência), o trio produziria Rinosacrifici – uma peça de performance de videoarte onde um deles decapitaria um pombo com seu pênis.

Sónar 2007

‘Estamos vivendo agora em uma era que é muito mais fascista quando se trata de censura’, lamenta ele em uma entrevista para o Studio International, quase indignado que alguém torça o nariz quando se usa o seu próprio pau para decapitar qualquer coisa.

‘Acredito que nos últimos 20 anos a Sónar se tornou uma marca de receita’, articula Ventura Barba (diretor executivo da Advanced Music, a empresa por trás da Sónar e da Sónar + D), ‘então as pessoas confiam em nosso julgamento e algumas pessoas acabam de chegar aqui para descobrir novos atos. Essa é a beleza disso.’ O que é verdade, como admitem até mesmo aqueles que aclamam seu conhecimento enciclopédico da música de vanguarda.  John Peel diz que  ‘a grande beleza do Sónar é que você pode ouvir música que você não pode ouvir em nenhum outro lugar da terra, de países que você nunca imaginou  fazer música desse calibre’.

Evian Christ, Sónar 2015

Evian Christ, Sónar 2015

Bondade, SonarVillage 2015

Bondade, SonarVillage 2015

 

Sónar Estocolmo

Sónar Estocolmo

 

Sónar Reykjavík

Sónar Reykjavík

Londres; Buenos Aires; Nova york; Santiago do Chile; Hamburgo; Roma; Lisboa; Boston; Bogotá; Seul … tamanho é o apetite pela casa que Palau, Robles e Caballero construíram (visitantes de mais de 90 países vão à edição de Barcelona todo mês de junho), que a celebração turística de criatividade e tecnologia do Sónar tornou-se um constituinte crítico da marca como um todo.

Isso remonta, em parte, ao que o lendário Sr. Peel tinha a dizer sobre ‘países que você nunca imaginou que fizessem música desse calibre’, e Barba confirma: ‘na verdade, um dos objetivos do Sónar sempre foi descobrir e conectar diferentes comunidades artísticas ao redor do mundo. Queremos que cada Sónar local seja visto como uma ferramenta para a comunidade criativa local, uma ferramenta para expressar o seu trabalho e uma ferramenta para promover o seu trabalho através do ecossistema Sónar.

Sónar 2016
ANOHNI

ANOHNI

Kelela

Kelela

 

Sónar 2010

Sónar 2010

Sónar 2005

Sónar 2005

 

× Curta Music Non Stop no Facebook