Danny Bond lança clipe e fala de representatividade trans: ‘Temos que ocupar mais espaços’

Itaici Brunetti
Por Itaici Brunetti

Um nome para ficar de olho e ouvidos atentos em 2020 é Danny Bond, cantora transexual de Alagoas que vem remexendo o mercado brega funk com os hits quentes Tcheca, Loka de Pinga e Tiroteiro da Trava. Seu mais recente sucesso, Aquecimento da Bond, acaba de ganhar um videoclipe que promete ser hit de Carnaval, e também propícia para malhar os glúteos no dia a dia, pois é inspirado no universo fitness.

Aquecimento da Bond é para ouvir fazendo algum exercício que faça a bunda crescer, pra entrar no clima da música e do Carnaval”, sugere Danny sobre a faixa em conversa com o Music Non Stop. “Quero todo mundo com a bunda na nunca rebolando”, exalta ela.

No video, Danny participa de uma disputa de “quem rebola mais” gravada dentro de um ringue de luta, onde todas as participantes terminam dançando ao ritmo de brega funk e rap da canção. Uma curiosidade é que a batida da música tem inspiração em The Final Countdown, maior hit da banda oitentista Europe.

 

 

Empoderamento e representatividade

Com mais de 4,6 milhões de views em seus vídeos no Youtube e superando a marca de 2,5 milhões de plays no Spotify, Danny vem crescendo rápido e conquistando uma legião de fãs, despontando como uma das transexuais mais ouvidas e engajadas do país.

“Temos que ocupar cada vez mais espaços. A comunidade LGBTQI+ é muito unida, principalmente com as pessoas que levantam a bandeira da maneira certa”, diz ela sobre representatividade e importância de ser uma artista trans no Brasil. “O que as pessoas precisam entender é que nós não fazemos música LGBTQI+, nós fazemos músicas em seus diferentes ritmos, seja funk, brega funk, hip hop ou pop. Devemos ser ouvidas assim como os artistas heterossexuais”, enfatiza.

Reconhecida como uma das principais porta-vozes dos direitos LGBTQI+, Danny também é uma das embaixadoras do projeto As Vozes do Funk LGBTQI+, em parceria com a distribuidora ONErpm e o Instagram Brasil. “É uma responsabilidade muito grande, afinal muitas pessoas nos usam como modelo de inspiração e como referência para se descontruir”, fala a cantora. “No momento político em que vivemos, quanto mais de nós nos fortalecemos, mostraremos que viemos para ficar e expandir cada vez mais”.

 

Foto: divulgação

 

Famosos de olho

Danny Bond vem chamando a atenção não apenas do público, mas também de grandes nomes da música, como o DJ e produtor norte-americano Diplo, do Major Lazer, e a cantora brasileira Pabllo Vittar.

“O Diplo é uma referência musical muito grande, pelos nomes que ele já trabalhou e todos os hits que ele produziu. Fiquei muito feliz”, celebra a cantora sobre o DJ gringo ter postado o trecho da letra de Prikito em seu Instagram. “Eu, como uma travesti do nordeste, nunca pensei que isso ia chegar tão longe. Foi um dos momentos mais marcantes da minha carreira”.

Já com Pabllo, a interação rolou pessoalmente, cara a cara, quando Danny foi convidada pela drag queen mais famosa do Brasil para participar de seu bloco de Carnaval na capital paulista em 2019. “Foi incrível, o público vibrou comigo e com certeza foi um dos shows mais importantes da minha vida, tanto que foi a primeira vez que eu vim para São Paulo e me senti mega acolhida. Eu amaria um dia fazer um feat com a Pabllo. Ela é a maior inspiração pra quem é LGBT no Brasil”.

 

Danny Bond e Pabllo Vittar (foto: reprodução Twitter @BonddDanny)

 

Censura nunca mais

Assim como muitas músicas do funk BR, as letras de Danny também rasgam a cartilha da censura com frases e temas sexuais bastante explícitos e muitos palavrões. Com ela, não há papas na língua e nem censura.

“As pessoas que são mais livres de preconceito não veem isso de um jeito ruim, afinal é uma música pra você dançar, se divertir, beber em uma festa e ser alegre”, diz ela sobre suas letras. “O problema é que ainda existe muita hipocrisia, por exemplo, se um hétero cantasse músicas explícitas como eu, assim como tem muitos [que cantam], não seria motivo de tanta polêmica”.

 

Foto: divulgação

 

E vem muito mais por ai.

Para Danny, o ano de 2020 mal começou. Segundo ela, muita novidade está por vir. “Tem muita música para sair. Estou com a caneta afiada e muita música que está no papel vai ser gravada. Temos feats planejados, clipes e turnê. Aguarde que 2020 vai ser o ano de Danny Bond”.

× Curta Music Non Stop no Facebook